I WILL MISS YOU, Mr. and Mrs. OBAMA.

Li num Blog que sigo a seguinte observação de um leitor, reagindo a um texto sobre o mesmo tema e que, por entender ir de encontro ao que penso, transcrevo:” Um conselho amigo: poupem as críticas aos actos de Obama pois vão precisar delas todas a multiplicar por cem para classificar os de Trump”.

Sei que muitos Amigos meus, uns fisicamente próximos e outros apenas do Facebook mas que, pela intimidade já alcançada, considero igualmente Amigos, não concordam ou não vão concordar comigo mas, mesmo assim e seguindo o que a minha consciência me dita, vou passar a escrito um resumo daquilo que sobre o tema penso.

Em primeiro lugar, do ponto de vista do conhecimento profundo e intrínseco da sociedade americana, eu não me sinto capacitado para sobre ela fazer um juízo definitivo e duvido que sejam muitos os que tenham a real percepção do que ela é e onde se funda o seu chamado “ American Way of Life”. Por isso, tentar compreender de uma forma séria como foi possível a eleição de Trump, não é tarefa fácil. Do mesmo modo que entender em França o fenómeno Le Pen, em Itália o Pepe Grillo and so on…

Por isso mesmo, e em segundo lugar, eu entendo que afirmar-se ser OBAMA o “obreiro” de Trump, porque não fez reformas profundas, porque foi laxista, porque não desmilitarizou o país, não conseguiu implementar tudo o que prometeu ou não promoveu o tal “America great again”, é demasiado precipitado e mesmo injusto. Trump já há muito existia e foi favorecido pelos tempos…

Tempos que, principalmente desde o princípio da globalização e da deriva neoliberal iniciada no Reaganismo e Thatcherismo, têm vindo a varrer do planeta conceitos históricos e sagrados, como o valor do trabalho, as políticas sociais, os direitos cívicos e de igualdade, em troca de um capitalismo de casino que tem concentrado o poder absoluto em meia dúzia de organizações que são autênticos abutres e de cuja influência e poder tem  resultado mesmo o sequestro da autonomia dos governantes, são os tempos que são, sendo que eles sim, eles é que têm que ser combatidos.

No meio desta caminhada para o abismo eu, lembrando-me da longa história dos negros pela conquista dos direitos cívicos, que não vou repetir, chorei de felicidade com a eleição de OBAMA, não só por ser negro e isso por si só ser já um notável feito, mas também por ser um homem culto, inteligente, orador brilhante e decente e que poderia ser um contratempo a esses tempos. Como se veio, de certo modo, a provar, não só pelo estilo como também pelo conteúdo.

Mas quem conhece a orgânica político-constitucional dos EUA sabe da quase impossibilidade de se governar, ou fazer aprovar leis que incorporem mudanças ou acrescento de direitos, quando entre os três poderes (Presidência, Senado e Câmara dos Representantes) se tem dois contra e, neste caso, completamente reaccionários e lobistas. Foi com este panorama que OBAMA governou a maior parte dos seus dois mandatos e foi isto, e apenas isto, o que o impediu de ir mais além na prossecução de muitos dos seus desideratos e promessas.

Mas existem ainda mais dois poderes, um deles o Supremo Tribunal que tem que ser proactivo, e um outro, este visível mas de conhecimento quase invisível, o Pentágono, onde se jogam interesses sem fim e cujo manejamento, digamos assim, depende da maioria acima referida.

A hostilidade permanente dessas duas Câmaras  foi vital para o insucesso de OBAMA em muitos dos seus desejos de progressos e ter conseguido negociar o Obamacare, os direitos das comunidades minoritárias como os LGBT, por exemplo, a retirada das tropas americanas do Iraque, o célebre “Bring Back Home”, a recuperação da indústria automóvel e o ataque quase Keynesiano à brutal crise de 2008 que recebeu de herança, e muitos outros, são feitos notáveis e definidores de um Homem humanista e progressista.

Mas é deste Homem informal, humilde, humano, equilibrado, clarividente e, acima de tudo, DECENTE, que eu vou ter saudades. E do melhor orador que até agora conheci.

E da sua Grande Mulher, MiCHELLE OBAMA, que dignificou o cargo, abriu a Casa Branca a todos, a artistas, intelectuais, crianças de todas as raças, orgulhosa da sua raça e origem, mas com um reconhecimento global de Classe, de inteligência e de normalidade que só os grandes personagens possuem.

Mas eles irão para as suas vidas, vidas de Advogados ou Professores e as suas filhas irão para a Escola ou para a Universidade, como qualquer outro jovem das suas idades….

Para os OBAMA aqueles oito anos foram apenas uma parte da vida, uma passagem… Mas eu não os esqueço, nem esquecerei!

Advertisements
Standard

One thought on “I WILL MISS YOU, Mr. and Mrs. OBAMA.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s