Moura: Um Juíz Sem Tempo!

Falar do tempo tem que se lhe diga pois que falar dele não é apenas conversar sobre a meteorologia ou sobre as suas mudanças. É também, como neste caso, falar dele como o espaço da sequência dos dias, dos anos, das décadas e dos “siglos estelares” de que falava Pablo Neruda no seu Canto General. Mas também da intemporalidade.

Que demonstra este nosso Juiz decididamente ter, pois se mostra um homem de todos os tempos. Dele se poderia dizer, como em relação a muitos outros, que parou no tempo. Não concordo: ele é de todos os tempos e para ele o passado é presente e o presente pertence ao passado. É um intemporal, portanto, e para ele existe apenas um tempo.

Tempo que ele diz não ter, confundindo assim os tempos por se deitar todos os dias às quatro da madrugada, àquela precisa hora em que o passarinho canta, não cuidando de pensar que dali é pouco será tempo do galo cantar e dele se levantar…

À laia de parêntesis eu confesso que também amiúde me deito a essas horas , mas a mim tempo é o que não me falta. O que me falta é tempo para ocupar todo o tempo que tenho! Fechar parêntesis…

De modo que para o nosso inefável Juiz Moura o tempo acaba por ser uma coisa risível pois, para ele, os tempos confundem-se com o tempo e tudo se transforma num enorme emaranhado na sua têmpora. O ontem foi há dois séculos, por exemplo. Ali há dois dias atrás! Para ele o tempo é relativo e, cá para mim, ele até tem razão pois na contagem cósmica do tempo o ontem é todo um passado, não é?

“Maneiras” que temos que relativizar. É que o problema dele, para além de ser um ser perdido nos tempos, é ter mesmo, como disse, um problema com o tempo.

Ele dá a impressão que só viveu no passado, desconhece o futuro ( também eu) e o ter que viver no presente lhe faz um nó cego de tal ordem no seu confuso cérebro que este entra inevitávelmente em curto circuito. Um temporal por ele abaixo só lhe faria bem…

É que, lá no emaranhado do seu cérebro, confunde tudo e só de parte se lembra. Lembra-se, por exemplo, de ter lido na Bíblia sobre a mulher adúltera, essas coisas todas que ele reproduz no tal Acórdão, mas não se lembra quem foi Jesus Cristo e muito menos do episódio em que este instou todos os homens presentes a atirarem a primeira pedra se nunca pecaram…algum aledrejou? Não se lembra!

Lembra-se também do Camões como o poeta da grei e da gesta do nosso povo, mas desconhece a sua poesia e o seu ” Mudam-se os Tempos Mudam-se a Vontades”. Para ele, que pensa como que a todos os tempos pertencesse, os tempos nunca mudaram nem mudam.

Ele confunde a Bíblia com o Corão, Deus com Maomé e Gregos e Romanos nunca existiram. Alá e Cristo também não. Lembra-se de todas as leis que ao longo dos tempos sempre puniram as mulheres ( como a tal de 1886 que ele refere), mas nada sabe sobre as lutas das mulheres de Chicago pelas oito horas de trabalho, nem sabe quem foi a Rosa Parks. É muito menos que as mulheres não tinham direito a voto antes do 25 de Abril. Mas isso, para ele, nunca existiu…

Lembra-se da escravatura e das mulheres escravas, mulheres para todos os serviços e sempre às ordens dos seus donos, mas não se lembra dela ter acabado, nem quem foi o Abraham Lindol, por exemplo.

Ele, o Juiz Moura, na sua suposta intemporalidade, não consegue ver os tons dos tempos e, por isso, ele é um daltónico. Um daltónico do tempo! Que não conhece a cor do sangue de uma agressão, de um apedrejamento ou de uma delapidação. Coisas normais e intemporais para ele.

E na sua intemporalidade ele terá sido juiz na santa inquisição (com letra pequena e razão tinha o Saramago), incorporou o torquemada ( ainda letra pequena) e andou pelos tribunais plenários nos tempos da pide ( pequena ainda) e nunca leu o Memorial do Convento.

Para ele a mulher não tem direito ao prazer e sexo é para fazer filhos. Como um dia disse um tal Morgado na AR que, azar, apenas tinha um filho! Natália Correia escreveu então aqueles notáveis versos, que assim acabam: ” …só lá foi uma vez, parca ração e o acto consumado, ficou capado o Morgado!”. Grande Natália! Um cunhado meu também contava que um amigo tinha ido às meninas (raparigas em brasileiro) e, em pleno acto, ouvindo os leves suspiros da sua parceira logo lhe disse: shiu! Aqui quem goza sou eu…

Para ele tempos assim mesmo tempos eram os vitorianos, os do Marquês de Sade e de todas as teorias libertinas. Disso ele sabe tudo, sou levado a crer. Mas como não se lembra de Roma nem de Atenas, não sabe, mas gostaria de saber, estou certo, daquela do Nero que um professor universitário de Direito tipo Diacono Remédios que nunca se ria contava: que “Nero era homem de muitas mulheres e mulher de muitos homens”. Então depois lá soltava um leve rizinho, o danado!

Disto ele às tantas gostaria e seria, para si, uma boa imagem da democracia. Mas, na sua intemporalidade, ele é apenas e só um enorme REACCIONÁRIO!

Por isso também ele diria: homens, ide e fornicai-vos uns aos outros, pois mulheres é só para parirem filhos…

E para acabar, digo agora eu: Benditas sejam as Mulheres, todas as Mulheres…AMEN!

 

Standard

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s