RUI RIO: UM BOM ADJUNTO PARA COSTA! — À Esquerda do Zero

E, digo eu, até é bom que assim seja! Em nome do País e em nome do nosso futuro é bom e salutar que haja um líder da oposição com este porte: que diga abertamente que concorda e apresente, aqui e ali, visões diferentes, mas sempre sem aquele jugo ideológico que tinha, por exemplo, o […]

RUI RIO: UM BOM ADJUNTO PARA COSTA! — À Esquerda do Zero
Advertisements
Standard

RUI RIO: UM BOM ADJUNTO PARA COSTA!

E, digo eu, até é bom que assim seja! Em nome do País e em nome do nosso futuro é bom e salutar que haja um líder da oposição com este porte: que diga abertamente que concorda e apresente, aqui e ali, visões diferentes, mas sempre sem aquele jugo ideológico que tinha, por exemplo, o seu antecessor.

Ficou vincado que Rio, um homem de números, não conseguindo rebater esses mesmos, adoptou uma postura “estadista”, não se distanciando nem afastando de Costa, como quem diz eu até discordo em alguns pontos (;o Partido a isso obriga) mas, no fundo estamos de acordo, prestou neste debate um bom serviço ao País!

Mostrou ser um homem aberto e pragmático tendo sempre por fundo um País melhor e isso, comparativamente com o seu antecessor até que me agradou!

Mostrou ser um ser aberto e liberal e, acima de tudo, um político ( sem ter ares disso) em quem Costa até pode confiar para, num País como o nosso, levar avante realizações importantes e decisivas de que o País necessita.

É evidente para mim que esse não é, nem de perto nem de longe, o que o PSD de quem ainda é líder, assim pense e esse é o seu maior problema: o de afirmar-se perante os seus na sua maioria distanciados do seu pensamento pragmático e aberto.

Os comentadores de serviço que por alguns instantes ouvi falaram das espectativas e, como tal…mas como tal o quê? Pensavam ser Rio como Passos? Não e faço-lhe essa justiça!

Mas esse é o problema deste PSD, um partido de bases radicais e direitistas e que, a partir de hoje, mais vão odiar este líder que, definitivamente, não é o seu! E não ver ser pela sua prestação de hoje que a sua ideia vai mudar… Então votamos Costa como muitos já decidiram…

É que esta manifesta concordância e abrangência não lhes agrada. É e será um traidor, pensam muitos embora não o digam…

Números são números e ele nenhum dos apresentados por Costa desmentiu ( ele é um homem de números) e isso, para os seus ficou gravado na pele! Concordar com este Governo naquilo que ele é mais forte? Imperdoável..

Foi este debate decisivo? Claro que não mas foi, na minha humilde óptica, decisivo no seu manifesto anuimento aos números, incostentaveis, apresentados por Costa: os atestados e verdadeiros!

De modo que Rui Rio, mesmo pretendendo com esta postura, próxima à de Costa, mobilizar as suas direitistas bases deu um tiro no pé e mostrou à saciedade o quanto delas está distante!

Costa esteve igual a si próprio, ciente do trabalho feito e que todos, com mais ênfase ou menos ênfase, reconhecemos.

Que ficou do debate, afinal?

O de um Rio mortinho por trabalhar com Costa!

Estarei assim tão errado? Mas será que os “seus” deixam?!!!

Standard

Em NOME DA MÃE!

Ou da “MÃEZINHA”, como por todos os da altura sempre foi chamada!

Partiu há já dezasseis anos e durante muitos, aquando do seu aniversário, todos nos juntávamos para a celebrar e, sendo ela o forte elo que a todos unia, celebrar a Família e a sua Unidade!

Primeiro partiu o nosso Pai em Janeiro de 2003 e ela, já nos seus 97 anos e acamada há dezasseis, cansada das desculpas que lhe davam pelo facto do seu menino ter deixado de a visitar, decidiu desistir desta vida e partiu três meses depois…

Depois foi o nosso Tio Nel, seu irmão mas praticamente da idade do nosso Pai, figura ímpar na Família pelo seu imenso humor, depois a Tia Irene sua esposa anos depois e há poucos mais de dois anos a nossa Graciete…

E esses convívios anuais deixaram de se fazer, das Famílias do lugar de Rio de Moinhos, a do nosso Pai e do lugar de Góios,  a da nossa Mãe, ambos nos extremos da grande freguesia de Marinhas-Esposende. Mas, quando a gente se encontrava, em missas, casamentos e outros eventos, sempre manifestávamos o desejo de tal retomar.

Passaram-se cerca de dezassete anos e, finalmente, foi possível conjugar esforços e acertar data para tal se concretizar e foi ontem, dia 14 de Setembro desta ano da graça de 2019, que os esforços da Carina e da Celeste Cristina deram fruto e reunimo-nos!

Éramos cerca de setenta, pesem algumas ausências perfeitamente normais pelos afazeres e compromissos impossíveis de reverter. E foi uma grande, enorme alegria!

É que há coisas na vida que não têm preço e a unidade familiar, a amizade familiar, a recordação dos entes queridos desaparecidos e a introdução dos mais novos, são algumas delas. E por todos sempre termos cultivado a admiração e o respeito pelos mais velhos, o facto de todos termos passado esses e outros valores aos nossos filhos e netos , foi possível termos juntado ontem quase todas as quatro gerações que subsistem vivas, tendo como referência a nossa saudosa “MÃEZINHA”!

E foi bonita a festa gente! E sendo a comezaina partilhada ninguém deixou por menos: todos se esmeraram e do que todos trouxeram não faltou nada! Até os baldes de mexilhões a lembrar os velhos tempos em que as nossas tias iam aos rochedos da praia de Rio de Moinhos apanhá-los não faltaram…

Nem faltou a boa disposição e as graciosas anedotas do Tio “Garrincha”, como não faltou nem podia faltar a animação musical do já famoso Trio formado pelo meu Irmão Mário, o mais novo e dono da acústica eléctrica, pelo nosso sobrinho Francisco e por “ moi même”!

A festa, porque de uma festa se tratou, foi o encontro dessas quatro gerações imbuídas do mesmo espírito: a alegria do reencontro, o actualizar de recordações e a manutenção desse grande conceito que é a a junção de muitos agregados familiares numa só Família: a Família AZEVEDO ABREU!

A nossa Mãe nos seus 90 anos é a mais velha e a minha neta Maria, de seis meses e meio, a mais nova presente, já que há três crianças ainda mais novas que não puderam estar presentes!

A Família vai crescendo e rejuvenescendo mas o espírito de Família mantém-se e será eterno!

Entretanto o próximo encontro, daqui a um ano, já está marcado! E que todos nos mantenhamos por cá…Abraço a todos deste que tanto vos quer…

Standard

AS CONTAS CERTAS DA CATARINA e do RIO!

Estive ontem a ver aquele espécie de debate entre Costa e Catarina e de tudo o dito o que mais fixei foi que afinal a Catarina também é pelas contas certas!

Mas as contas certas da Catarina são apenas, e como não poderiam deixar de ser, matematicamente certas! Assim do mesmo modo que a uma despesa tem que corresponder uma igual receita e em qualquer qualquer estudo económico para qualquer custo tem que se arranjar um proveito. Assim como dois mais dois são quatro!

Mas a Catarina, que é como todos nós pela diminuição dos impostos, ao propor uma despesa de 30 mil milhões de aéreos em nacionalizações (Ana, Galp, Ren, CTT e nem sei que mais…) que propõe como contrapartida à tal despesa? A emissão de dívida… mas com contas certas, isto é: aos 30 mil milhões a gastar corresponderão exactamente os mesmos 30 a financiar! Certas? Certíssimas…À La Palisse!

Mas nós fizemos as contas, disse a Catarina! Costa ainda lhe disse que nem pensar pois isso corresponderia, não falando sequer dos juros, do impacto que teria esse aumento de dívida nas nossas contas, da retaliação dos demais agentes e do reverter de tudo o que até agora foi conseguido, a retirar fundos ao SNS, à Educação, às Pensões e demais políticas sociais em curso. Mas não, eles fizeram as contas…

Eu, cá bem do âmago do meu ser, também penso como a Catarina! Aquelas criminosas privatizações todas efectuadas nos tempos do “Troika o Passos” deveriam ser revertidas. Eu também acho mas, ao contrário dela, sei que tal só será plausível quando tivermos fundos próprios para tal.

O facto deste Governo ter atingido saldos primários positivos ( ter dado lucro, como se diz em linguagem econômica normal) não é um mal em si, como a Catarina afirma sustentando que esse superávit deveria ter seguido de imediato para responder às suas justas reivindicações, mas é a única maneira que um Estado tem, através do equilíbrio das suas contas, de conseguir uma almofada que o proteja de possíveis rupturas futuras.

A Catarina portanto, afirmando-se pelas contas certas, pensa do mesmo modo que muitos: o que interessa é resolver o imediato. Quem paga? Logo se verá!

Mas o mal parece não ser apenas coisa sua pois ainda me lembro, aquando da intervenção do Estado sobre o Banif, das declarações desse prestigiado “economista”, Rui Rio, que deve ter teses e tratados que ninguém conhece, quando depois de ter lido o seu balanço ter mostrado a sua enorme estranheza: mas como pode estar insolvente este Banco quando apresenta uma situação positiva de 600 milhões?!!!

Isto é, as contas estavam certas: o passivo era igual ao activo e até apresentava lucro! Mas este economista de pacotilha que tal afirmou, não tendo este mais crédito já, até lho forneceria. Afinal as contas estavam certas…

Mas, e os activos irrecuperáveis? Isso não interessa! Activos sobre avaliados e consequentes imparidades? Também não interessa! O Banco já não tinha mais activos para dar como garantia de empréstimos de fundos? Também não interessa! As contas batiam certo…

Tal como a Catarina: feridos de irresponsabilidade!

Standard

BLOCO e PODEMOS O MESMO DRAMA: PARA QUE SERVEM SEUS VOTOS?

Afirmou já há uns anos José Sócrates ser ele o líder que a Direita gostaria de ter. O tempo e as circusntâncias trataram de deixar em suspenso tal proposição e é agora ANTÓNIO COSTA, em tempos seu fiel discípulo, esse tal líder que grande parte da Direita gostaria de ter mas, mesmo  não o podendo  ter, nele vai votar.

É que, mesmo sendo ele o Secretário Geral do maior Partido da Esquerda portuguesa, o P.S., e Primeiro Ministro de um Governo declaradamente de Esquerda, após a  trapalhada em que os Partidos da Direita e os da Esquerda à sua esquerda se deixaram embrulhar, num triste e decadente espectáculo de desnorte, desleixo e mesmo infantilidade políticos, no caso da contagem dos anos de serviço dos Professores e depois ainda com a “crise” dos combustíveis, ficou evidente para todos, nomeadamente para muitos sectores da Direita, quem estava mesmo preparado para governar e, dignificando o Estado e a sua autoridade, fazer valer a força da Lei a favor dos interesses de todos.

Juntando a isso os êxitos conseguidos com a sua governação no controlo e melhoria substanciais das nossas contas públicas, com um Ministro das Finanças afável mas firme, obstinado mas incisivo e acima de tudo competente, não foi com muita surpresa que ouvi  da boca de alguns amigos de Direita a intenção de votarem COSTA e com uma explicação muito simples: sendo nós eleitores de Direita mas observando que , no fundo, muito do que se baseia o nosso pensamento foi concretizado por COSTA e a sua equipa, então votaremos em COSTA porque na Direita ninguém tal faria ou será capaz de fazer…

Daí que, conquistado muito do “centro” e daquele eleitorado volúvel, o tal que dá ou retira maiorias, sejam elas relativas ou absolutas, eis que o P.S. de ANTÓNIO COSTA surge nas sondagens como estando no limiar da dita maioria.

E este cenário está a deixar o Bloco de Esquerda num tal nervosismo , que até se reflete num cartaz aqui ao perto em que ao lado de uma Catarina esbugalhada de azul esverdeado surge um José Soeiro atarantado e a parecer sair da cama, e no pânico dos seus principais pontas de lança na comunicação social, o Daniel Oliveira e o Francisco Louçã, pela possibilidade do seu Bloco não vir a fazer parte da solução de uma maioria parlamentar da qual saia o próximo governo e tornar-se, assim, numa excrescência inútil.

Mas, a não alcançar uma maioria absoluta e precisando de acordos pontuais, exclusão a favor de quem? Do seu arqui-inimigo PCP que, ao contrário do Bloco, se apresenta perante a sociedade como um partido sério, experiente e fiável, para além de fiel cumpridor de tudo com se compromete.

Eu ainda não ouvi e estou seguro de que não ouvirei o ANTÓNIO COSTA  a pedir declaradamente a maioria absoluta aos Portugueses e, como tal, torna-se para mim difícil entender por que o Daniel diz que COSTA “ameaça” com o exemplo do Podemos Espanhol para a alcançar. Só pode ser delírio pois o exemplo do Podemos não é efectivamente o melhor pois a sua frivolidade, a sua sobranceria e a arrogância do seu líder só têm feito gorar governos de esquerda em Espanha. E não queremos cá réplicas, é claro. Isso mesmo diz COSTA.

E quando ANTÓNIO COSTA afirma ser o P.S. o único Partido da Geringonça que assume tudo quanto de bom e de mal foi feito, ele está a dizer a mais pura verdade, mas a dizer mais: como confiar numa força politica para uma possível futura coligação quando ela apenas se arroga e reclama de tudo o que de bom se fez e se afasta de tudo o resto? Eu já uma vez aqui abordei um pouco disto num Artigo aqui publicado e chamado O ORÇAMENTO ELÁSTICO DA CATARINA https://wp.me/p4c5So-12U, cuja leitura aconselho pois me poupa a mais adjetivações.

Mas um artigo no Público de há uns dias de Rui Oliveira e Costa, reputado técnico de análise sociológica e Sondagens, veio trazer-me mais luz sobre o assunto e sobre algo que tanto o Daniel como o Louçã sabem mas evitam dizer: o facto de, segundo Rui Oliveira e Costa, devido às alterações no espectro politico partidário Português, mais Partidos a concorrerem e votos mais distribuídos, para além do significativo aumento dos votos brancos e nulos, já não serem precisos os anteriores cerca de 44% dos votos para alcançar uma maioria absoluta, podendo bastar para isso os 39%!

A possibilidade cada vez mais real da não renovação da Geringonça faz com que o sonho do Daniel – agora que já nem “Livre” vai poder voltar a ser…- mais o de Louçã, que acusou o COSTA de exercer “bulling” sobre o seu Bloco, diz que passa a vida a bater-lhe…, de ver o seu Bloco elevado à categoria de “imprescindível” sair gorado!

É que aí, se o P.S. ficar no limiar de uma maioria absoluta ou mesma a alcançar e prescindir do Bloco, “goodbai” Catarina mais a sua sempre sofrida arrogância e “goodbai” Mortáguas mais as vossas imberbes absolutas certezas….

O BE num governo? “Vade rectro”!

Nota- O “ipsilon” fugiu do meu computador…

Standard

FILHOS da “OUTRA”!

O Estio é a estação do ano mais apreciada pelos admiradores da Dona Preguiça e eu, um inveterado seguidor de tão distinta figura, nela simplesmente não funciono e toda a minha carteira de compromissos, de todos qual o mais inadiável, é mandada para as calendas!

Pelo que nem das “travessuras” dos “memes” do costume eu sei e apesar de ir sabendo uma coisa aqui outra ali eu vou, é claro, observando os cartazes que vão sendo colocados nas rotundas e onde os mais criativos, eu diria mesmo da “Ordem do Fantástico” são, sem dúvida, os do CDS!

Que deve ter contratado a peso de ouro um verdadeiro mago (não é nabo não…) em publicidade e marketing pois quem, a seguir ao “ Portugal ponto a Europa é aqui”, aparece com um enigmático “A Preparar o Futuro” e conclui a trilogia com um “Trabalhar ponto Faz Sentido?”, só pode ser um mestre na arte!

A minha tola começou logo a tecer cenários, fios de pensamento e coisas complicadas mais que me surgiram para tentar dissecar tão difícil “teorema” mas, de imediato, apelando à tal inveterada preguiça, logo concluí: não vale a pena ó patrão, é só mais um que se quer armar em diferente…

De modo que até aqui não estive nem aí e quem queria mesmo ver-me só mesmo em Paredes de Coura e no seu ultra maravilhoso Festival onde estive a semana inteira, isto é, dez dias consumidinhos em tertúlias, cervejas e concertos, mas onde ia seguindo aquele autêntico seriado das TV’s querendo provar que havia o caos nos postos de gasolina quando eles, ainda por cima e porque as pessoas inteligentemente se organizaram, tinham até menos gente que o costume! Aquilo foi degradante mas eu estava em modo festivaleiro e no meu querido “COURAÍSO” e isso tinha já passado a pormenor! E, mesmo no fim, a PATTI SMITH ainda mais me veio apaziguar….

Mas, continuando no Estio e sabendo um pouco do que se vai passando e antevendo o que aí vem, eu pergunto: ó Costa, e tu nem 15 dias de férias tiras? Tens medo que um Riacho diga que te ausentaste e não cuidaste dessa corrente que destrói as margens de tão comprimidas estarem? Sim, esse Riacho que afirmou que tu estavas de férias quando o País estava a arder e tu mais o Presi em reuniões, velórios e coisas mais? Vai de férias mas é, ó meu…Esse “Riachozinho” perante os elogios que o Finantial Times te tece ainda tem o desplante de dizer que eles não conhecem este País, esses burros iletrados e dados à mania…Vai é morenar esse cabelo, pá!

É que eu há dias vi-te na TVI e aquele baixinho, magrinho e de cabelo lambidinho, mais o apresentador e demais, que não são flores que cheirar possamos, quiseram mesmo rasteirar-te, pá! E a coisa até nem foi tão grave, apesar da questão vergonhosa dos “twitters”, que eu por exemplo não possuo e muito pouca gente usa pois aquilo é uma séca, porque tu sabes sempre sair por cima mas, não digo o Partido, mas as tuas lanças dianteiras deviam denunciar o que se passou e o que a seguir, muito provavelmente, se passará.

É que o que se passou com aquela tresloucada Professora, não só pelas alarvidades que disse mas principalmente pela passividade, condescendência e cumplicidade do apresentador, perante as contínuas faltas de respeito e interrupções da dita, dá que pensar e merece séria reflexão.

Mas também pelas escolhas da TVI onde, a par de uma tresloucada e ressabiada Professora, apareceu também uma sorridente mas capciosa Enfermeira e um Fiscalista que teve o desplante de afirmar que um trabalhador que recebe limpos 2.750 Euros custa a uma Empresa 7.000 Euros quando o que supletivamente onera a Empresa são os 23,75 para a Segurança Social!

Eu só me admirei de não terem convidado também a Cavaca e o Pardal! Juntando a estes o Ventinhas, mas pensando bem este não porque a “dignidade” dos Magistrados do Ministério Público foi entretanto reposta, mais o Presidente da Ordem dos Médicos…o quadro dos “cavaleiros do apocalipse” estaria completo!

Vou aguardar pacientemente as cenas dos próximos capítulos desses guardiões da Democracia que são as TV’s, nomeadamente as generalistas e deixando de lado os patéticos outdoors do PPD, que mais não fazem do que apregoar a herança que deixaram, vou-me debruçar, salvo seja, sobre este novel e futurista cartaz do CDS que já aqui referi: “PORTUGAL ponto TRABALHAR FAZ SENTIDO?”.

Eu não vou falar sequer em ousadia ou criatividade: eu falo em desfaçatez! Em ignomínia, em reaccionarice, em esperteza saloia e todos os adjectivos que Dicionário contenha. É que só isto nos faltava!

A tese pela Direita repetida à exaustão é que com este Governo se atingiu a maior carga fiscal de sempre ( a mesma que a deles!) e os Portugueses, coitados, estão a sofrer horrores e a serem de tal maneira espoliados, agredidos e massacrados que, em vez de irem em filhinha votar Costa, deviam era deixar de trabalhar! Não recebiam salário, e para quê o salário se depois, cheios de fome, terão um rico que os protege, mas o Estado também não arrecadava Impostos…

E estiveram eles tanto tempo a meditar, em sagrado retiro, um retiro regenerador do futuro do passado! “Trabalhar é Preciso”? Para quê se terão sempre, sem impostos é claro, trabalhadores a soldo, um soldo que até uma tigela de sopa poderá ser…?

E progredimos nós tanto! E progrediu a Ciência, as Novas Tecnologias e o Saber tanto e estes vermes ainda a reivindicarem velhos direitos. Direitos de classe, dirão…

Classe de “Filhos da “outra”, como bem escreveu Alberto Pimenta.

Standard

O EFEITO “do” CENTENO…

É da nossa natureza perdoarmos mais depressa tudo aquilo que não nos agrada e, quiçá, até nosso fere que é dito ou escrito por aqueles com quem divergimos do que por aqueles por quem, mesmo que nem sempre neles tudo nos agrade, nutrimos simpatia porque, filosoficamente, se regem pelos nossos mesmos princípios. Somos com estes mais exigentes, em suma.

Por isso mesmo vou muitas vezes “ aos arames” com o Daniel Oliveira, pessoa e pensador por quem nutro admiração intelectual porque, estando em muitas frentes na comunicação e nos Midia, na sua permanente intenção de, fazendo quase o pleno, manter uma certa equidistância com todos com quem debate, dando uma no cravo e outra na ferradura, porque, quer queira quer não e por muito que lhe custe tem que emitir opinião, pois para isso é pago, não é capaz de manter uma linha orientadora no seu discurso e, por isso, perde-se imensas vezes no politicamente correcto.

E, depois, mesmo que no fundo o não deseje, vê-mo-lo a abraçar causas que a Direita não desdenha e a tecer considerandos sobre dirigentes e governantes que toda a Esquerda elogia e tem como dela, mas que ele, talvez prisioneiro de anteriores e mal fundadas teses, teima em manter opinião coincidente com a da Direita. Como com Mário Centeno, por exemplo!

Não vou voltar às polémicas que com ele tive e foram aqui publicadas, mas tenho que recordar aqui aquela que aconteceu há uns anos a propósito de um tal Domingues que iria salvar a Caixa e se meteu em infindáveis engenhocas com mensagens e contra-mensagens até ao seu irrevogável desaparecimento. Nessa altura, perante alguma tibieza do Ministro, chamou-lhe de “nabo” em política e afirmou que só estava no Governo para prejudicar Costa!

É claro que isto está-lhe colado à pele como indelével marca e, pela minha parte, sem qualquer instinto sádico, sempre lho recordarei até ele ter a hombridade de fazer mea culpa, o que ainda não sucedeu…

Pois, se não o fizer, terei que o colocar no mesmo espaço desta animosidade para com o Ministro das Finanças com um tal de João Vieira Pereira, que ainda há pouco tempo, sendo nomeado Director do Expresso, me escreveu dizendo que “agora que era Director do Expresso” eu o deveria acompanhar e ler e, portanto, dada a elevação de valor que isso me acrescentaria, teria que assinar o Expresso…

Mas este triste e vetusto economista, mesmo que ainda relativamente jovem se mostra dos tempos do”laissez faire laissez passer”, como também do “o mercado tudo regula” da escola de Chicago do Friedman, lá porque foi nomeado Director do Expresso , acha-se mesmo muito e julga que nós, eu inclusive, dele bebemos algo de puro e bom…Ledo engano!

E este presunçoso economista teve o desplante de escrever, logo na segunda página do Expresso desta semana, um artigo chamado “ O efeito Centeno” e que eu, para que não tenha que o transcrever na totalidade, apelo a que o tentem ler…

É que, apesar de ser um pequeno tratado sobre o que é desonestidade intelectual, ele é, igualmente, um tratado sobre outras coisas mais prosaicas e simples como: a dor de corno, a inveja, o rancor e a sem vergonhice! Isto tudo, sem tirar nem pôr e onde, lamentavelmente, o Daniel Oliveira aceitou se emiscuir…

Mas que diz ele, afinal? Nota: os sublinhados a negrito são meus!

Diz: “Não vou investir (!!!) mais tempo a escrever que Centeno teve todas as condições para fazer a diferença e não o fez (!!!)! É um facto (Diz ele)! Há oportunidades que não se repetem…e acrescenta: “ não vai ser mais possível aumentar a carga fiscal (como se o pouco ter diminuído fosse o mesmo que ter “violentamente” aumentado!) e os juros da dívida não vão descer mais (como se isso tivesse sido obra do acaso…) e a economia mundial até já está a arrefecer…( mas quando é que ela realmente aqueceu?). Repito: os sublinhamos a negrito são meus!

Ora do exposto se conclui que, para este distinto economista e colunista, daquilo que ele chama de Efeito Centeno surtiu zero, nada! Brilhante conclusão, sem dúvida!

Mas este Vieira Pereira ainda acrescenta, e eu cito porque fazia realmente falta este acrescento e sem ele, devo confessar, o texto do Vieira nunca seria o que é: “…Nem interessa que em quatro anos este Governo não tenha feito uma reforma. Uma que possa exibir com orgulho, uma que deixe uma marca positiva para as próximas gerações.Nada!”.

Como eu disse, este texto nunca seria o mesmo se o colunista economista não falasse das “reformas”. Essas reformas que vão sendo feitas e estão sempre por fazer! Que foram definitivas com o Silva e logo ultrapassadas. Decisivas com a dupla Gaspar/ Coelho e logo ultrapassadas pelo Troikismo! O “Bieira” fala, fala mas…qual reforma? Nem uma cita? Que pobreza Sr. Director, economista e colunista! Não tem “umazinha” para citar: só atoarda para o ar…

E o colunista e economista, para além de director do Expresso ainda acrescenta, coincidindo aqui também com o Daniel Oliveira, ele igualmente colunista do Expresso ( só não tem ainda uma “pluma caprichosa” porque as plumas são mais para mulheres), que acredita pouco no génio político do Centeno ( já que do económico estamos falados…acrescento meu…) já que, isso sim, acredita muito mais no génio político do Costa…

E eu aqui não me ri não senhor! Fiquei foi perplexo perante tanta habilidade argumentativa deste génio das colunas. Ora vejam: financeiramente Centeno foi zero! Um “nabo” como referiu o Daniel Oliveira, irmão do Gusmão, já agora! O efeito de Centeno nulo, óbviamente, como o irmão do Gusmão não pára de dizer…

Génio Político? Isso é o Costa, como ambos e dois pensam, aliás três porque o Gusmão, irmão, também pensa assim…

Standard

CHOCADO, ASSAZ CHOCADO ME CONFESSO…”

E tão chocado estou que nem à arte da pontuação me dou

Vocês por favor ouçam-me e sigam o meu raciocínio que eu já estou que não posso Neste momento nem é pelo choque fiscal do Rio de que a seguir vou falar e que quando anunciado foi notícia e quando explicado deixou de o ser vá-se lá saber porquê mas é pelas séries e filmes que sou obrigado a seguir porque agora futebol não há e a política entrou de férias

É que estou mesmo a ficar farto e a entrar mesmo em desespero pois vejam só Na CSI de Los Angeles os quatro são sempre os mesmos já que mesmo sendo sempre barbaramente baleados nunca morrem na série está bom de ver só a pequeninha e fibrosa Hetty de vez em quando desaparece mas sempre volta para beber o seu estupidamente velho whiskie e até a Ruah é uma grande pistoleira pelo que eu digo como morrer e aqui façam o favor de imaginar uma interrogação

Mas não é só nesta também na de Honolulu pois não sei como se escreve A VAI na de New Orleans na de Miami e até na de Chicago PD que não sei o que significa pelo que vou à terças seguindo o Dr Bull que só uma vez perdeu ganhando a excelente VIS a VIS que se passa numa prisão de mulherame da pesada e a Rainha do Sul ambas nas noites de quinta esta onde o nosso Pepe Rapazote é chefe de um gangue precisamente na cidade do Luisiana e a Teresita é boa como o milho

Mas como aí sim aí morrem como tordos e eu que não fui nem à tropa nem à guerra e nunca fui mercenário pois nunca numa canhota eu toquei já estou a ficar farto de tanto tiro a brincar e de tanto sangue a jorrar e isso deixa-me até deprimido mesmo sabendo ser tinta Mas eita gente acabei de ler em mais um expresso mas este o Dinis que ainda há bem pouco tempo era Público uma notícia que incompreensivelmente ninguém sequer aflora a de que o Chefe dos Militares quem será ele está a perder a esperança e que a situação é insustentável pois faltam seis mil efectivos

E eu que nunca peguei numa canhota e já fiz seis capicuas fiquei a pensar Calma pá que a tua reserva já caducou bem perto das quatro e portanto não tens que temer É que nem na prova de tiro ao boneco passavas Mas onde se vão arranjar esses tais de seis mil se nem para a indústria gente há O brasileirame todo que está a fugir do calor dos trópicos chega e vai de imediato para a Restauração e quem sobra pergunto eu de modo que temo mesmo que o País do mundo que mais Generais tem estes tenham que investir de peito aberto tal como D. Quixote não sobre um suposto inimigo mas para a sua apetecida reforma dourada por falta de tropas

Mas que fazer Tenho os Telecines todos o Hollywood a repetir sempre os mesmos filmes os AX ENES o Crime e o outro o AMC que me lembra sempre o nome do meu Chefe e os FOX todos e até recebi hoje um Mail da NOS a dar-me os parabéns pois vou continuar a ter o NOS STUDIOS grátis e como fiz anos na sexta e foi a minha sexta capicua eles presentearam-me com o Arranha Céus duas vezes E eu até me perguntei Mas aquele artista com dois de altura e um de largo é mesmo perneta Perguntei-me porque a ser perneta é um excelente perneta e até aquele suplemento de perna é bem útil Três obrigatórios pontos que até admiração podem ter

De modos que de tão aborrecido e antes de ir uma semaninha de férias resolvi escrever-vos esta declaratória missiva de respeito para com a língua Portuguesa e com o acordo ortográfico não utilizando pontuação e até já sou reincidente Por mero respeito isso mesmo pois assim não erro nas vírgulas e para exortar a que procurem e leiam e basta digitar no Google pois ele já há muito me conhece um texto que eu também escrevi à Saramago e que se chama As Reformas e a reformas Pronto escusam de ir pois aqui vai o Link https://wp.me/p4c5So-wg

Leiam que é muito giro e agora vou finalmente falar do tal choque do Rio não aquele choque que nós sabíamos e até dizíamos que choque que eu levei e ou era mesmo eléctrico ou era o do cotovelo que até dói tanto como o outro mas aquele a que chamam de fiscal

Quando foi anunciado sem ser devidamente escalpelizado eu fiquei tão chocado que até escrevi no SER-SE SÉRIO em política que aquilo não era Ser-Se Sério Mas a verdade é que para lá da empolgação do Expresso Costa que escreveu não interessa o que ele Rio falou interessa é que finalmente falou só um outro Expresso colunista tentou entender mas chegou à conclusão que aquilo só mesmo com o alinhamento dos astros todos durante anos e com o tal multiplicador ali tão concentrado como se estivesse a fazer yoga

E fiquei mais chocado ainda pois ninguém mais falou do raio do choque até que o Rio descobriu onde realmente estava o problema na Saúde e que o problema estava no nome do ministério vejam só Que para não se chamar da Doença em vez da Saúde porque só recorremos à saúde quando estamos doentes e ele com aquela perspicácia que os seus lhe reconhecem pegou nuns óculos e arranjou a solução Ministério da Promoção da Saúde E isto sei eu ele foi beber àquela Tia de Cascais que um dia disse que estar viva era o contrário de estar morta E Rio não mais se esqueceu desta frase O estar doente é o contrário de estar com saude

Não ouvi mais mas não custa adivinhar um Promoção da Justiça um outro Promoção da Defesa ainda o da Promoção da Educação o da Progressão das Polícias e um outro este especial e inovador para a promoção das Ordens dos Médicos e Enfermeiros a Ministérios e assim numa Bolsonarização importada desse extraordinário exemplo Brasileiro nomeá-los embaixadores nos esteites do trampa Como se diz agora e uma colega farta-se de repetir Chorei

Só não morri com o choque pois tenho coração forte E ainda queriam que pusesse vírgulas … mas três pontinhos ainda ponho mas muito chocado

Standard

O “NEGÃO” e o “VOODOO”…

Quando em momentos de alguma curiosidade proporcionados pela susência de outros motivos de melhor interesse, cansado de assistir impotente ao caminho para onde estes actuais estadistas, e apenas porque representando Estados, levam a nossa Europa e o Mundo eu, à escala micro, observo como vai e como se faz a política aqui neste cantinho à beira mar plantado, e assisti, feito há muito não ocorrido, ao debate sobre o Estado da Nação!

À escala micro, disse eu, pois não me apetece falar nem sobre tresloucados Trumps, sobre incompetentes Mays, sobre palhaços Bolsonaros, inconsequentes Macrons, nem sobre intermitentes Merkels, nem tão pouco das tão pouco edificantes negociações que levaram às partilhas dos poderes na Comissão Europeia, apesar de saber não ser dispiciendo para tal cenário tudo o que essas cabecinhas pensadoras decidem…Mas é macro e o macro não me seduz!

Porque aqui, neste jardim à beira mar plantado, onde tudo parece abundar, tudo parece afinal faltar! E foi por isso que o “Negão” (no Brasil é assim que chamam a um negro, assim como a qualquer Carlos chamam de Carlão e a Felipe de Felipão, pão, pão…), esse mesmo que eu bem vi, disse espumando de raiva dirigindo-se ao calmo Costa que o PPD ia ganhar as eleições. E disse-o também de ameaçador dedo em riste e possesso como que ameaçando: nós vamos ganhar e tu vais pagar! E porquê? Por causa da maior carga de impostos de todos os tempos que, ao que parece, ninguém sente, excepto eu!

Mas também pelo tal “caos” nos Serviços Públicos que, ao que parece, também só alguns sentem e eu não sinto nem sente o Hospital aqui ao meu lado! Mas ele, que na Saúde só vai aos Privados, munido de vários cartões tais o dos Serviços da Justiça para uma coisas, o da ADSE para outras, o do Seguro da Assembleia em todas, uns de cada vez ou todos em conjunto para, no fim, em vez de pagar quiçá ainda receber, será?, diz que há e só não vê quem não quer…

Mas ele, como todos esses situados no lado bom da vida, quando alguma coisa mais grave acontecer ou aparecer, a si ou a algum dos seus, o que fará? Irá imediatamente para o Publico, recomendado e encaminhado pelo seu particular Médico que, desta vez, por uma questão de precaução e aviso, o quer no Público. Onde nem se sentará esperando vez e muito menos irá para uma daquelas listas de espera que o seu PPD, que votou contra tal Sistema, o de todos, diz que tem que melhorar…mas para eles, os que não vão para as listas de espera…e pois é!

O meu estimado “Estátua de Sal” perguntou-lhe com corrosivo humor o que andaria ele a fumar! Eu não sei se ele fuma ou não mas aquele seu aspecto no debate não me cheirou bem…hummm…Aquilo para mim ou é feitiço encomendado e fracassado ou a tentativa “voodoo” falhada. Tanta espuma não é normal… ou foi o Rio?

É que o Rio, igualmente ao arrepio de qualquer senso ( é que nem bom nem mau, se me entendem…) desatou a convidar jovens para cabeças de listas e, se já não bastasse o “vodu” ( é igual) falhado, vê saltarem para um esquisito limbo muitos dos seus já revoltados indefectíveis e, quer-me parecer, o “Negão” não afastará da sua ideia a ida a um “Terreiro de Santo” na Baía rezar a um qualquer Oxum, dançar um Condomblé e meter-se mar a dentro levando um ramo a Iemanjá, para que o feitiço atinja o Rio, esse blasfemo.

O mago do “Marketinguismo” que contrataram bem sobre ele descarregou: então o Senhor dirige-se naqueles modos quase tribais ao Sr. Primeiro Ministro? E em vez de lhe dizer que vai ganhar as próximas eleições, que muito simplesmente vai ganhar, ameaça o coitado espumando de raiva, com as veias pescoço quase a rebentar, tresloucado e sem mesmo saber o quão perigoso isso é? Que ficaram a pensar de si?

É que, ó homem, você para isto não tem mesmo jeito nenhum e olhe-me só para o que estamos fazendo. O nosso “ slogan”, não sei se já alguém lhe disse, é: “ O que Portugal Precisa”! E do que precisa Portugal? Ui, de muita coisa, respondeu o “Negão”!

Eu vou-lhe dizer e se ainda não viu veja os cartazes: “Portugal precisa de menos listas de espera”. Eu disso não preciso, diz o “Negão” graças a Deus. “Portugal precisa de mais e melhores Creches públicas”. Mas eu disso também não preciso pois os meus netos mal nascem vão logo para Colégios, ora…

Portugal precisa é de uma bancarrota, diz o “Negão”, pois senão…lá teremos que aguentar o COSTA, pois esse nem em Brasileirez e muito menos em “Brahmin” alguma vez será costeleta!

Standard

SER-SE SÉRIO (em Política).

Até pode ser que não vivamos no melhor dos mundos, e não vivemos, muito embora eu pense que tudo quanto se ouve e lê não corresponde minimamente ao que se sente.

Isto é, o discurso do “caos” nos Serviços Públicos e o da “maior carga fiscal de sempre” tão propalado por toda a Direita e dito publicamente por tudo quanto é comentador arregimentado, não corresponde ao que na realidade se passa e não configura outra coisa que não uma mentira tão repetida que, sendo também repercutida por toda a comunicação social, pretende transformar-se em verdade.

É uma velha táctica de uma Direita que, não tendo qualquer plausível tese a contrapor, fazendo uso da sua também já histórica falta de escrúpulos, quer fazer crer aos incautos que aquilo que lhes dizem ser um bom Governo não passa de uma união familiar de incompetentes que não sabem investir, e só a Direita o sabe, dizem eles, e que, em nome de um défice zero, deixaram os Serviços Públicos destroçados e basta ver as greves…

Mas não vou aqui falar dessas greves cirúrgicas e de classe por ela (Direita) fomentadas, pois até o menos esclarecido politicamente o sabe ler, mas fazer um pequeno exercício acerca do que seria a realidade, a verdadeira realidade, se este Governo não tivesse seguido a política económica e financeira responsáveis que seguiu!

Vamos então supor que, segundo o douto raciocínio da Direita (Manuelas e outros eles…), o défice em vez de ser próximo do zero se situava nos 1,5%, por exemplo. O que teríamos então?

Desde logo uma situação de incumprimento das regras Europeias e as consequentes sanções; a perda de fundos comunitários e seu imediato reflexo na redução, aqui sim, do investimento; a desconfiança dos mercados e, sem contemplações, os juros mais altos; o inevitável selo de incumpridor e a decorrente perda de credibilidade e, mesmo, da capacidade conseguida de influenciar…

O conseguido por este Governo nestes quatro curtos anos é tão notável que até tendemos a esquecer o “mundo” da mentira com que o anterior governou e a tristeza franciscana em que o deixou. E não deixa de ser caricato que, quem nos deixou no pior dos mundos, o anterior Governo, exija que este Governo nos deixe no melhor dos mundos…Não vivemos naturalmente no melhor dos mundos mas vivemos num País incomensuravelmente melhor quatro anos passados…

Quem nos trouxe apenas a austeridade como promessa de uma redenção futura, tal qual uma duradoura penitência como  a via para se alcançar alguma etérea benção, nunca aceitou que este Governo, sem essa austeridade e antes pelo contrário, tenha obtido a recuperação da dignidade pátria e alcandorado o nosso País e o nosso Povo ao estatuto da admiração externa, em apenas quatro anos!

O Défice a tender para o zero; saldos primários positivos; superávites nas contas públicas; juros negativos a curto e médio prazo e já próximos do zero a longo prazo- dez ou mais anos (já equivalentes aos espanhóis e inferiores aos italianos) e outras coisas mais, para lá de tudo o já enunciado, trouxeram como resultado uma poupança gigantesca em juros que, com outra política, nomeadamente a da Direita, só poderia ser compensada, e novamente, por cortes nos salários e pensões ou aumento de impostos como sucedeu naqueles anos tenebrosos do seu governo, o de Passos Coelho…

Mas o que é, então, SER-SE SÉRIO? Em Política é, muito naturalmente, fazer o que se prometeu e não o seu contrário (como fez Passos Coelho); é prometer o exequível; é ser-se sensato e rigoroso e é dizer a verdade! Tão simples quanto isto!

António Costa chamou e anunciou uma equipa de Economistas que redigiriam um manifesto económico de suporte às políticas anunciadas ( relembro que baseadas no aumento do consumo como pedra basilar para o crescimento e consequente recuperação), equipa essa dirigida pelo futuro Ministro das Finanças- Mário Centeno, e tanto ele como essa equipa cumpriram o que prometeram e, ainda por cima e muito bem, com resultados que nem nós esperávamos…Foram Sérios!

Ora o que anuncia, para já, Rui Rio? Uma tremenda redução de impostos (três mil milhões, julgo ter lido…); um equivalente aumento do investimento público e, pasme-se, tudo isto com um excedente orçamental!!! A teorização da “quadratura do círculo” ou a descoberta de que a “terra é mesmo plana”, será?

A insuspeita Constança Cunha e Sá, com muita graça, escreveu no seu Twitter: “É isso que Rio quer, não é? Já eu, só quero ganhar o Euromilhões!”.

Eu direi de outro modo: Isto é NÃO SE SER SÉRIO…

Standard