O NOSSO TIO FERNANDO.

Um Tio que desde sempre me habituei a admirar! Lembro-me do seu casamento com a minha Tia Leopoldina, irmã do nosso Pai, tinha eu ainda uns nove anos e eles entre os dezoito e os vinte ainda eram muito novos. Mas casaram e assumiram esse passo para sempre.

Há uns poucos anos fui e fomos às suas bodas de ouro e o Tio Fernando continuava, depois de tanto tempo, um Homem arreigado à Família em geral e à sua em particular. Ele era, definitivamente, um Homem de Família.

Mas era acima de tudo um Homem sério. Mas um Homem sério à maneira antiga e de sempre: sem quaisquer reservas. E era um um Ser dedicado e firme na defesa dessa mesma seriedade. Uma seriedade que era reconhecida e admirada por todos.

A Família amava como poucos, sentia-a e não guardava reservas por exemplo na admiração que nutria por nós, filhos do seu cunhado e nosso Pai, nosso Pai que igualmente lhe reconhecendo a pureza, a sobriedade e uma inigualável ética, lhe confiava coisas que a mais ninguém confiava e partilhava com ele pareceres e decisões as quais com ninguém mais partilhava.

Também por isso ao longo da vida me habituei a admirá-lo mais e cada vez mais. Talvez por isso sempre que nos encontrávamos e podíamos conversar a sós, tivéssemos tendência a fazê-lo de um modo prolongado, falando acerca de tudo, da Família, do nosso Pai, da vida, e mesmo estando politicamente em campos opostos até disso falávamos sem quaisquer reserva e, sempre acabávamos a falar da Sua Família!

Da sua Família que ele instituiu e criou passo a passo, com valores, com dedicação, com sentido estreito e inamovível de defesa e com um orgulho tal que não raras vezes dela falando não conseguia reprimir uma furtiva lágrima  de felicidade! Uma felicidade de dever cumprido!

Mas o Tio Fernando, Homem de rigor ético inexcedível, era também um Homem de Amizades perenes e sempre credor das mesmas: os seus Amigos foram sempre e toda a vida seus Amigos e nenhum restou que não lhe tivesse prestado a última homenagem! Só faltou o Nosso Pai, mas este por motivos maiores…

Que me perdoem os restantes Tios de quem muito gosto e todos nós gostamos, mas era este o Tio de quem eu mais gostava! E isto muito simplesmente explico: era o que eu sentia mais próximo do Nosso Pai, tanto na calma como na prudência, tanto na ponderação como na exigência e tanto na sensatez como na sabedoria.

Para infelicidade da Família que tanto amava precocemente partiu vítima de um coração já exangue de tantas batalhas, mas batalhas cumpridas e vencidas. Mas a grande batalha, a da Vida, ele venceu-a e esse exame ele passou com distinção!

E como prova desse enorme desafio que a Vida quando cumprida nos desideratos e fins com que deve ser vivida, a sua continuação deixando sempre na sua passagem uma marca ou semente sempre melhor que a que lhe foi legada, está a Família que deixou! 

Deixou a Mulher de sempre, a minha querida Tia Leopoldina, companheira dedicada benevolente e firme, e quatro maravilhosos Filhos, os meus queridos Primos António, Carminha, Manuel Fernando e Mário Jorge. 

Há muitos anos criou a Empresa Fernando Patrão & Filhos, Lda! Pois até nessa criação foi feliz pois na sua antevisão do futuro Familiar  ele teve essa luminosa ideia: a de perpetuar a Família no nome da sua empresa, mas dando corpo e presença a essa mesma ideia quando cooptou todos os filhos para a sua gestão! Apenas não está a Carminha mas está o seu marido Ribeiro, o que vai dar ao mesmo!

Até aqui foi um exemplo de sensatez e sabedoria. A Empresa continuará, sob a égide de um Manuel Fernando irrequieto, interventivo e cada vez mais sabedor, de um Antonio sensato e mais calmo e de um jovem Engenheiro, o Mário Jorge, que não fechando o círculo lhe traz a técnica e e a capacidade específica que os outros não têm, formando todos um só corpo.

É esta a homenagem que me cumpre fazer-lhe dizendo-lhe que Descanse em Paz e que não tenha receio do futuro da sua Família. As sementes que plantou deram frutos de primeiríssima qualidade e eles saberão, não tenha dúvidas nosso querido Tio Fernando, perpetuar a sua Memória!

Descanse em Paz.

Standard

EM DEFESA DO TIAGO (Brandão Rodrigues).

Dos vis ataques de um franco atirador (Daniel Oliveira), um autêntico “sniper” que, mesmo não conhecendo a vítima, sobre ela não hesita em atirar.

Para além de preciosidades várias como “um verbo de encher que poderia ser substituído por um boneco insuflável e ninguém daria pela diferença…”, prognosticava-lhe uma “curta e irrelevante carreira política…e, no caso dos professores “ia fazendo cair o Governo…”. “ um imóvel inútil” sentenciou  o “sniper” Daniel.

Desde já uma declaração de interesses: conheço Tiago e toda a sua Família desde pequeno, acompanhei o seu percurso académico e científico e sou seu Amigo, desde muito antes dele ser Ministro.

E assim, em primeiro lugar, acerca do TIAGO, quero elucidar o opinador Daniel: ele precisa tanto da política como eu preciso do Daniel. Não é seu amigo e isso é, desde logo, um constrangimento para si. Não frequenta os seus círculos e esse pormenor, mais que um constrangimento, é para si uma tremenda dor de cabeça pelo , que se pergunta boquiaberto: como é que Costa foi buscar este “gajo”, não se arrependeu e não o despediu? “Só por teimosia ou alienação…” alvitrou o dito que, quando o TIAGO foi há quatro anos nomeado, também sentenciou que o TIAGO ia ser “ um boneco nas mãos do Nogueira..”, ou coisa assim do género…

Como é que Centeno, a quem nos primórdios chamou de “nabo” em política e que só estava no Governo para prejudicar o Costa, também foi reconduzido, parece que já não é mistério para si e até devia, se fosse coerente. 

Só que acontece que ambos não se ofereceram a Costa: foi Costa quem os convenceu a saírem das suas zonas de conforto e integrarem o seu Governo. E também não consta que Costa seja desleal para quem, para lá da competência, lhe seja leal.

Mas se o Daniel não sabe, e “arrota postas de pescada” como quem palita os dentes, de como funciona Costa e os seus Governos e como politicamente são administrados, eu até que também o poderia elucidar…mas não vale a pena pois o Daniel é um pensador de certezas feitas! Mas ele que diz que “ O Daniel pensa”, deve ter pensado bem no que escreveu.

Com que então o “imóvel inútil” TIAGO ( Brandão Rodrigues), que pelos vistos o Daniel não conhece, nem alguma vez ele lhe deu trela, andou a “pastar” quatro anos e o pastor Daniel nunca o viu! Andava escondido do rebanho do Ministério e que quem dirigiu as lutas foi a Alexandra Leitão ( competentíssima, é verdade) e o João Costa que, para o sapiente e bem informado Daniel, também teriam assento no Conselho de Ministros.

Conselho onde, por incompetência do TIAGO, só poderia ser,  eram eles que discutiam e definiam as estratégias (vide casos dos Contratos de Associação, Manuais Escolares ou Progressão na Carreira dos Professores)…Que é que o Daniel que tudo julga saber afinal sabe? 

Ou seria o malandro do Costa que, ultrapassando o TIAGO pela esquerda baixa, ia reunir à socapa com a Alexandra e com o João para lhes dar as indicações do Governo? O Daniel até que acredita que sim…e aí eu já nem sei se hei-de rir ou chorar! 

Mas este nosso inefável Daniel, jornalista político e político comentador em tudo o que à Impresa diga respeito, a quem reconheço fácil verve em delirantes elucubrações, não podendo assim às boas confessar, ficou desgostoso com o fim da Geringonça, não tanto por esta em si mas pela não cedência do Costa ao seu ex-amado mas nunca esquecido Bloco, e pelo avilte de este ter convidado a votar contra a sua nomeação, remetendo-o para uma certa irrelevância activa ! E isso não se faz ao Daniel!

O sonho do Daniel era ver o José Soeiro no lugar do TIAGO, uma Mortagua no lugar do Centeno e a outra no lugar do Heitor ( ou o vice versa) e a Catarina no lugar do Siza! Isso é que seria um Governo, não era Daniel?

Standard

Assisti como muitíssimos mais à noite Eleitoral nas TV’s e, perante a amostragem por estas das sondagens à boca das urnas, que dado o enorme intervalo que apresentavam todas reclamaram como certas, logo perplexo fiquei quando a maioria dos comentadores presentes, na ânsia de apresentarem de imediato vencedores e vencidos sem cuidarem sequer de uma normal prudência, desde logo apresentaram o BE como um inequívoco  vencedor da noite!

Também a Catarina Martins, ainda a noite era uma criança e muitos votos por apurar, naquele registo arrogante e eufórico que lhe é peculiar, veio proclamar a estrondosa vitória de seu BE afirmando este como a terceira força política em Portugal ( uma evidente verdade ), força esta essencial e imprescindível para qualquer solução de Governo, apressando-se a apresentar a Costa o seu caderno de encargos e da aceitação por este de tudo quanto o BE reivindicar, acrescento eu!

Mas a grande verdade é que final da noite o BE se ficou pelo mínimo das tais sondagens e não obteve nem os 22, nem os 24, nem muito menos os 26 mandatos que elas prognosticavam e ficou-se pelos mesmos deputados que obteve em 2015: Dezanove (19)! O BE um grande vencedor?

Mas mais: em 2015 tinha obtido 10,19% e à volta dos 550 mil votos. Agora em 2019 apenas atingiu os 9,67% e cerca de 493 mil votos. Perdeu quase 60 mil votos. Manteve os mesmos deputados, isso sim. Um grande vencedor o BE?

Vencedor em relação ao PCP aqui sim pois este, apresentado e bem como um dos grandes derrotados, teve na verdade um recuo eleitoral, passando dos 8,25% para os 6,5%, perdendo cinco deputados (passou de 17 para 12) e cerca de 115 votos em relação à últimas eleições. Muitos eleitores que antes votavam PC votaram desta vez PS, dando assim relevância ao papel do PS na governação. Também as sondagens já isso revelavam quando indicavam ser o eleitorado do PCP o maior adepto da Geringonça!

Mas nesta geometria eleitoral, naquela que realmente conta, o grande vencedor é apenas um, o PS, que ganha 20 deputados e tem apenas ele mais  votação e mais deputados que toda a Direita junta. E ainda um outro vencedor, noutra ordem de grandeza, o PAN, que passa de 1 para 4 deputados e que passando a grupo parlamentar regista uma meritória vitória.

Mas fazendo um pequeno exercício de matemática, podendo o PS atingir os 107 ou mesmo os 108 deputados, ficará a 8 ou 9 da maioria necessária para aprovar Orçamentos e Leis normais. Mas abstraindo-nos do facto da Geringonça atingir a alargada maioria de cerca de 140 deputados, não serão  os 19 deputados do BE que, por si sós, poderão obstaculizar a aprovação dessas Leis!

E porquê? É que atingindo toda a Direita o máximo de 87 deputados (78/80 o PSD, 5 o CDS mais os 2 da IL e do Chega), somando estes numa coligação negativa não inédita aos 19 do BE, apenas se chegará aos 106, a um ou dois menos que os do PS, pelo que uma simples abstenção do PCP, do PAN e do Livre bastarão a Costa para ultrapassar possíveis inexequíveis exigências do BE. Tenho portanto para mim que terão tanta importância decisiva os deputados do PCP, do PAN e do Livre juntos (17) quanto os do BE. Vencedor o BE?

São diversas para o PS as soluções numéricas mas fez muito bem António Costa, em nome da Estabilidade e da Continuidade, em propor a renovação da Geringonça, já dada por todos esses comentadores como morta na própria noite eleitoral, pois, tendo ela saído vitoriosa e reforçada, correspondendo assim à vontade da maior parte do eleitorado (mais de 53%), que razões poderão apresentar tanto o BE como o PC para a sua não continuação. 

Irão eles de um modo irresponsável e não adequado ao inequívoco mandato do eleitorado obstaculizar um próximo Governo? Será que lhes passará pela cabeça aliarem-se mais uma vez à Direita?

Tal como antes e tendo em consideração que com estes resultados eleitorais fica mais que provado que os Portugueses prezam antes que tudo o mais a Estabilidade, todos os que a ela se opuserem e traírem o espírito que vigorou nos últimos quatro anos, sairão no futuro fortemente penalizados.

E também ficou mais que provado que quem é apenas contra e não apresenta alternativas coerentes, sólidas e credíveis será pelo mesmo eleitorado castigado, como aconteceu com o CDS. O ser-se apenas contra é árvore que já não dá frutos!

”Geringoncem”, portanto! E viva a Geringonça!

 

 

Link

O BANHO DA NOJENTA HIPOCRISIA!

Há certas coisas nesta vida que, por muito que não o queira, me causam repulsa e nojo. São os répteis, são certos esquisitos insectos e bichos, são os filmes de terror gratuito, os maus tratos a crianças e mulheres, os abusos sexuais a menores, o aproveitamento da pobreza alheia para beneficio próprio, mais coisas ainda deste género mas, acima de todas, a HIPOCRISIA.

E quando esta pretende fazer de alguém , utilizando a mais suprema demagogia e o desconhecimento e a voluntariedade das pessoas, seres aparentemente perfeitos, pretendendo com tudo isso atingir objectivos que qualquer sentido de ÉTICA nunca permitiria, então ainda com mais Nojo fico.

E esta mesma HIPOCRISIA, principalmente quando alguém a utiliza falando de si próprio como alguém que essa mesma Ética pratica e da qual não prescinde, acabando com ela por demonstrar que Ética não tem nenhuma, então mais Nojo me dá ainda.

Falei acima de répteis, de insectos esquisitos e coisas mais, no fundo seres irracionais que sobrevivem num espaço onde se salva quem puder e é o que estes seres rastejantes parecem na sua hipocrisia: seres irracionais.

Porque a RAZÃO, os princípios civilizacionais pelas sociedades assumidos, o Direito e as regras e a plena aceitação do Homem como ser pleno de direitos e liberdades individuais inalienáveis, são aquilo que nos diferencia desses seres irracionais. E o não precisar de ser predador para viver, nem ter que violentar outrem para sobreviver…A cultura da Ética não pode conviver com a Hipocrisia.

E não pode valer tudo para um qualquer objectivo se alcançar. Eu percebo o quanto difícil é para a nossa Direita, nomeadamente para Rui Rio, nesta fase da nossa vida politica, fazer vincar as suas posições ideológicas nas eleições que se avizinham, ou a sua razão perante um governo e um Primeiro Ministro bem sucedidos, mas nunca é com golpes rasteiros e ignóbeis que tal se pode conseguir.

E, nesse aspecto, Rui Rio demonstrou ser também um ser equiparado aos seres citados e, pior ainda que um camaleão, ele veste a farda bonita, apregoa a ética mas, de repente, qual serpente aparentemente encantada, não resiste à traiçoeira ferroada.

O aparecimento brusco e “oportuno” em plena campanha do caso -Tancos, que aqui não vou dissecar pois também ele desde o seu principio me meteu Nojo, aparecimento esse propiciado por todos esses esgotos a céu aberto que são toda a comunicação social, amplificado por todos esses comentadores arregimentados que por eles pululam, mancomunados com Juizes e outros agentes do Ministério Público às suas ordens e serviço, foi de imediato aproveitado de uma maneira vil e nojenta pelo “puríssimo” Rui Rio. Um Nojo!

A Ética para Rui Rio significa Hipocrisia. E, como disse, a Hipocrisia é para mim o defeito humano pelo qual mais repulsa e nojo eu tenho.

António Costa há imensos anos na Politica e sem mácula muito bem lhe respondeu: “Não é aos cinquenta e oito anos que o Dr. Rui Rio me vai dar lições de Ética”.

Tal como no Brasil e nos EUA onde a utilização de tudo o que é falsidade, de tudo o que é hipocrisia, de tudo o que é mentira e de tudo o que é vil e ignóbil para conseguir convencer muitos incautos votantes acabou por prevalecer, também aqui esses rastejantes seres acham que, utilizando esses mesmos meios, o vão conseguir.

Cabe-nos a todos nós isso derrotarmos e assim devolver todo esse Nojo à sua procedência. Mas com uma dedicatória: “Que lhes faça bom proveito”!

O banho de Ética de Rui Rio foi tomado no lamaçal da Hipocrisia!

Standard

RUI RIO: UM BOM ADJUNTO PARA COSTA!

E, digo eu, até é bom que assim seja! Em nome do País e em nome do nosso futuro é bom e salutar que haja um líder da oposição com este porte: que diga abertamente que concorda e apresente, aqui e ali, visões diferentes, mas sempre sem aquele jugo ideológico que tinha, por exemplo, o seu antecessor.

Ficou vincado que Rio, um homem de números, não conseguindo rebater esses mesmos, adoptou uma postura “estadista”, não se distanciando nem afastando de Costa, como quem diz eu até discordo em alguns pontos (;o Partido a isso obriga) mas, no fundo estamos de acordo, prestou neste debate um bom serviço ao País!

Mostrou ser um homem aberto e pragmático tendo sempre por fundo um País melhor e isso, comparativamente com o seu antecessor até que me agradou!

Mostrou ser um ser aberto e liberal e, acima de tudo, um político ( sem ter ares disso) em quem Costa até pode confiar para, num País como o nosso, levar avante realizações importantes e decisivas de que o País necessita.

É evidente para mim que esse não é, nem de perto nem de longe, o que o PSD de quem ainda é líder, assim pense e esse é o seu maior problema: o de afirmar-se perante os seus na sua maioria distanciados do seu pensamento pragmático e aberto.

Os comentadores de serviço que por alguns instantes ouvi falaram das espectativas e, como tal…mas como tal o quê? Pensavam ser Rio como Passos? Não e faço-lhe essa justiça!

Mas esse é o problema deste PSD, um partido de bases radicais e direitistas e que, a partir de hoje, mais vão odiar este líder que, definitivamente, não é o seu! E não ver ser pela sua prestação de hoje que a sua ideia vai mudar… Então votamos Costa como muitos já decidiram…

É que esta manifesta concordância e abrangência não lhes agrada. É e será um traidor, pensam muitos embora não o digam…

Números são números e ele nenhum dos apresentados por Costa desmentiu ( ele é um homem de números) e isso, para os seus ficou gravado na pele! Concordar com este Governo naquilo que ele é mais forte? Imperdoável..

Foi este debate decisivo? Claro que não mas foi, na minha humilde óptica, decisivo no seu manifesto anuimento aos números, incostentaveis, apresentados por Costa: os atestados e verdadeiros!

De modo que Rui Rio, mesmo pretendendo com esta postura, próxima à de Costa, mobilizar as suas direitistas bases deu um tiro no pé e mostrou à saciedade o quanto delas está distante!

Costa esteve igual a si próprio, ciente do trabalho feito e que todos, com mais ênfase ou menos ênfase, reconhecemos.

Que ficou do debate, afinal?

O de um Rio mortinho por trabalhar com Costa!

Estarei assim tão errado? Mas será que os “seus” deixam?!!!

Standard

Em NOME DA MÃE!

Ou da “MÃEZINHA”, como por todos os da altura sempre foi chamada!

Partiu há já dezasseis anos e durante muitos, aquando do seu aniversário, todos nos juntávamos para a celebrar e, sendo ela o forte elo que a todos unia, celebrar a Família e a sua Unidade!

Primeiro partiu o nosso Pai em Janeiro de 2003 e ela, já nos seus 97 anos e acamada há dezasseis, cansada das desculpas que lhe davam pelo facto do seu menino ter deixado de a visitar, decidiu desistir desta vida e partiu três meses depois…

Depois foi o nosso Tio Nel, seu irmão mas praticamente da idade do nosso Pai, figura ímpar na Família pelo seu imenso humor, depois a Tia Irene sua esposa anos depois e há poucos mais de dois anos a nossa Graciete…

E esses convívios anuais deixaram de se fazer, das Famílias do lugar de Rio de Moinhos, a do nosso Pai e do lugar de Góios,  a da nossa Mãe, ambos nos extremos da grande freguesia de Marinhas-Esposende. Mas, quando a gente se encontrava, em missas, casamentos e outros eventos, sempre manifestávamos o desejo de tal retomar.

Passaram-se cerca de dezassete anos e, finalmente, foi possível conjugar esforços e acertar data para tal se concretizar e foi ontem, dia 14 de Setembro desta ano da graça de 2019, que os esforços da Carina e da Celeste Cristina deram fruto e reunimo-nos!

Éramos cerca de setenta, pesem algumas ausências perfeitamente normais pelos afazeres e compromissos impossíveis de reverter. E foi uma grande, enorme alegria!

É que há coisas na vida que não têm preço e a unidade familiar, a amizade familiar, a recordação dos entes queridos desaparecidos e a introdução dos mais novos, são algumas delas. E por todos sempre termos cultivado a admiração e o respeito pelos mais velhos, o facto de todos termos passado esses e outros valores aos nossos filhos e netos , foi possível termos juntado ontem quase todas as quatro gerações que subsistem vivas, tendo como referência a nossa saudosa “MÃEZINHA”!

E foi bonita a festa gente! E sendo a comezaina partilhada ninguém deixou por menos: todos se esmeraram e do que todos trouxeram não faltou nada! Até os baldes de mexilhões a lembrar os velhos tempos em que as nossas tias iam aos rochedos da praia de Rio de Moinhos apanhá-los não faltaram…

Nem faltou a boa disposição e as graciosas anedotas do Tio “Garrincha”, como não faltou nem podia faltar a animação musical do já famoso Trio formado pelo meu Irmão Mário, o mais novo e dono da acústica eléctrica, pelo nosso sobrinho Francisco e por “ moi même”!

A festa, porque de uma festa se tratou, foi o encontro dessas quatro gerações imbuídas do mesmo espírito: a alegria do reencontro, o actualizar de recordações e a manutenção desse grande conceito que é a a junção de muitos agregados familiares numa só Família: a Família AZEVEDO ABREU!

A nossa Mãe nos seus 90 anos é a mais velha e a minha neta Maria, de seis meses e meio, a mais nova presente, já que há três crianças ainda mais novas que não puderam estar presentes!

A Família vai crescendo e rejuvenescendo mas o espírito de Família mantém-se e será eterno!

Entretanto o próximo encontro, daqui a um ano, já está marcado! E que todos nos mantenhamos por cá…Abraço a todos deste que tanto vos quer…

Standard

AS CONTAS CERTAS DA CATARINA e do RIO!

Estive ontem a ver aquele espécie de debate entre Costa e Catarina e de tudo o dito o que mais fixei foi que afinal a Catarina também é pelas contas certas!

Mas as contas certas da Catarina são apenas, e como não poderiam deixar de ser, matematicamente certas! Assim do mesmo modo que a uma despesa tem que corresponder uma igual receita e em qualquer qualquer estudo económico para qualquer custo tem que se arranjar um proveito. Assim como dois mais dois são quatro!

Mas a Catarina, que é como todos nós pela diminuição dos impostos, ao propor uma despesa de 30 mil milhões de aéreos em nacionalizações (Ana, Galp, Ren, CTT e nem sei que mais…) que propõe como contrapartida à tal despesa? A emissão de dívida… mas com contas certas, isto é: aos 30 mil milhões a gastar corresponderão exactamente os mesmos 30 a financiar! Certas? Certíssimas…À La Palisse!

Mas nós fizemos as contas, disse a Catarina! Costa ainda lhe disse que nem pensar pois isso corresponderia, não falando sequer dos juros, do impacto que teria esse aumento de dívida nas nossas contas, da retaliação dos demais agentes e do reverter de tudo o que até agora foi conseguido, a retirar fundos ao SNS, à Educação, às Pensões e demais políticas sociais em curso. Mas não, eles fizeram as contas…

Eu, cá bem do âmago do meu ser, também penso como a Catarina! Aquelas criminosas privatizações todas efectuadas nos tempos do “Troika o Passos” deveriam ser revertidas. Eu também acho mas, ao contrário dela, sei que tal só será plausível quando tivermos fundos próprios para tal.

O facto deste Governo ter atingido saldos primários positivos ( ter dado lucro, como se diz em linguagem econômica normal) não é um mal em si, como a Catarina afirma sustentando que esse superávit deveria ter seguido de imediato para responder às suas justas reivindicações, mas é a única maneira que um Estado tem, através do equilíbrio das suas contas, de conseguir uma almofada que o proteja de possíveis rupturas futuras.

A Catarina portanto, afirmando-se pelas contas certas, pensa do mesmo modo que muitos: o que interessa é resolver o imediato. Quem paga? Logo se verá!

Mas o mal parece não ser apenas coisa sua pois ainda me lembro, aquando da intervenção do Estado sobre o Banif, das declarações desse prestigiado “economista”, Rui Rio, que deve ter teses e tratados que ninguém conhece, quando depois de ter lido o seu balanço ter mostrado a sua enorme estranheza: mas como pode estar insolvente este Banco quando apresenta uma situação positiva de 600 milhões?!!!

Isto é, as contas estavam certas: o passivo era igual ao activo e até apresentava lucro! Mas este economista de pacotilha que tal afirmou, não tendo este mais crédito já, até lho forneceria. Afinal as contas estavam certas…

Mas, e os activos irrecuperáveis? Isso não interessa! Activos sobre avaliados e consequentes imparidades? Também não interessa! O Banco já não tinha mais activos para dar como garantia de empréstimos de fundos? Também não interessa! As contas batiam certo…

Tal como a Catarina: feridos de irresponsabilidade!

Standard

BLOCO e PODEMOS O MESMO DRAMA: PARA QUE SERVEM SEUS VOTOS?

Afirmou já há uns anos José Sócrates ser ele o líder que a Direita gostaria de ter. O tempo e as circusntâncias trataram de deixar em suspenso tal proposição e é agora ANTÓNIO COSTA, em tempos seu fiel discípulo, esse tal líder que grande parte da Direita gostaria de ter mas, mesmo  não o podendo  ter, nele vai votar.

É que, mesmo sendo ele o Secretário Geral do maior Partido da Esquerda portuguesa, o P.S., e Primeiro Ministro de um Governo declaradamente de Esquerda, após a  trapalhada em que os Partidos da Direita e os da Esquerda à sua esquerda se deixaram embrulhar, num triste e decadente espectáculo de desnorte, desleixo e mesmo infantilidade políticos, no caso da contagem dos anos de serviço dos Professores e depois ainda com a “crise” dos combustíveis, ficou evidente para todos, nomeadamente para muitos sectores da Direita, quem estava mesmo preparado para governar e, dignificando o Estado e a sua autoridade, fazer valer a força da Lei a favor dos interesses de todos.

Juntando a isso os êxitos conseguidos com a sua governação no controlo e melhoria substanciais das nossas contas públicas, com um Ministro das Finanças afável mas firme, obstinado mas incisivo e acima de tudo competente, não foi com muita surpresa que ouvi  da boca de alguns amigos de Direita a intenção de votarem COSTA e com uma explicação muito simples: sendo nós eleitores de Direita mas observando que , no fundo, muito do que se baseia o nosso pensamento foi concretizado por COSTA e a sua equipa, então votaremos em COSTA porque na Direita ninguém tal faria ou será capaz de fazer…

Daí que, conquistado muito do “centro” e daquele eleitorado volúvel, o tal que dá ou retira maiorias, sejam elas relativas ou absolutas, eis que o P.S. de ANTÓNIO COSTA surge nas sondagens como estando no limiar da dita maioria.

E este cenário está a deixar o Bloco de Esquerda num tal nervosismo , que até se reflete num cartaz aqui ao perto em que ao lado de uma Catarina esbugalhada de azul esverdeado surge um José Soeiro atarantado e a parecer sair da cama, e no pânico dos seus principais pontas de lança na comunicação social, o Daniel Oliveira e o Francisco Louçã, pela possibilidade do seu Bloco não vir a fazer parte da solução de uma maioria parlamentar da qual saia o próximo governo e tornar-se, assim, numa excrescência inútil.

Mas, a não alcançar uma maioria absoluta e precisando de acordos pontuais, exclusão a favor de quem? Do seu arqui-inimigo PCP que, ao contrário do Bloco, se apresenta perante a sociedade como um partido sério, experiente e fiável, para além de fiel cumpridor de tudo com se compromete.

Eu ainda não ouvi e estou seguro de que não ouvirei o ANTÓNIO COSTA  a pedir declaradamente a maioria absoluta aos Portugueses e, como tal, torna-se para mim difícil entender por que o Daniel diz que COSTA “ameaça” com o exemplo do Podemos Espanhol para a alcançar. Só pode ser delírio pois o exemplo do Podemos não é efectivamente o melhor pois a sua frivolidade, a sua sobranceria e a arrogância do seu líder só têm feito gorar governos de esquerda em Espanha. E não queremos cá réplicas, é claro. Isso mesmo diz COSTA.

E quando ANTÓNIO COSTA afirma ser o P.S. o único Partido da Geringonça que assume tudo quanto de bom e de mal foi feito, ele está a dizer a mais pura verdade, mas a dizer mais: como confiar numa força politica para uma possível futura coligação quando ela apenas se arroga e reclama de tudo o que de bom se fez e se afasta de tudo o resto? Eu já uma vez aqui abordei um pouco disto num Artigo aqui publicado e chamado O ORÇAMENTO ELÁSTICO DA CATARINA https://wp.me/p4c5So-12U, cuja leitura aconselho pois me poupa a mais adjetivações.

Mas um artigo no Público de há uns dias de Rui Oliveira e Costa, reputado técnico de análise sociológica e Sondagens, veio trazer-me mais luz sobre o assunto e sobre algo que tanto o Daniel como o Louçã sabem mas evitam dizer: o facto de, segundo Rui Oliveira e Costa, devido às alterações no espectro politico partidário Português, mais Partidos a concorrerem e votos mais distribuídos, para além do significativo aumento dos votos brancos e nulos, já não serem precisos os anteriores cerca de 44% dos votos para alcançar uma maioria absoluta, podendo bastar para isso os 39%!

A possibilidade cada vez mais real da não renovação da Geringonça faz com que o sonho do Daniel – agora que já nem “Livre” vai poder voltar a ser…- mais o de Louçã, que acusou o COSTA de exercer “bulling” sobre o seu Bloco, diz que passa a vida a bater-lhe…, de ver o seu Bloco elevado à categoria de “imprescindível” sair gorado!

É que aí, se o P.S. ficar no limiar de uma maioria absoluta ou mesma a alcançar e prescindir do Bloco, “goodbai” Catarina mais a sua sempre sofrida arrogância e “goodbai” Mortáguas mais as vossas imberbes absolutas certezas….

O BE num governo? “Vade rectro”!

Nota- O “ipsilon” fugiu do meu computador…

Standard

FILHOS da “OUTRA”!

O Estio é a estação do ano mais apreciada pelos admiradores da Dona Preguiça e eu, um inveterado seguidor de tão distinta figura, nela simplesmente não funciono e toda a minha carteira de compromissos, de todos qual o mais inadiável, é mandada para as calendas!

Pelo que nem das “travessuras” dos “memes” do costume eu sei e apesar de ir sabendo uma coisa aqui outra ali eu vou, é claro, observando os cartazes que vão sendo colocados nas rotundas e onde os mais criativos, eu diria mesmo da “Ordem do Fantástico” são, sem dúvida, os do CDS!

Que deve ter contratado a peso de ouro um verdadeiro mago (não é nabo não…) em publicidade e marketing pois quem, a seguir ao “ Portugal ponto a Europa é aqui”, aparece com um enigmático “A Preparar o Futuro” e conclui a trilogia com um “Trabalhar ponto Faz Sentido?”, só pode ser um mestre na arte!

A minha tola começou logo a tecer cenários, fios de pensamento e coisas complicadas mais que me surgiram para tentar dissecar tão difícil “teorema” mas, de imediato, apelando à tal inveterada preguiça, logo concluí: não vale a pena ó patrão, é só mais um que se quer armar em diferente…

De modo que até aqui não estive nem aí e quem queria mesmo ver-me só mesmo em Paredes de Coura e no seu ultra maravilhoso Festival onde estive a semana inteira, isto é, dez dias consumidinhos em tertúlias, cervejas e concertos, mas onde ia seguindo aquele autêntico seriado das TV’s querendo provar que havia o caos nos postos de gasolina quando eles, ainda por cima e porque as pessoas inteligentemente se organizaram, tinham até menos gente que o costume! Aquilo foi degradante mas eu estava em modo festivaleiro e no meu querido “COURAÍSO” e isso tinha já passado a pormenor! E, mesmo no fim, a PATTI SMITH ainda mais me veio apaziguar….

Mas, continuando no Estio e sabendo um pouco do que se vai passando e antevendo o que aí vem, eu pergunto: ó Costa, e tu nem 15 dias de férias tiras? Tens medo que um Riacho diga que te ausentaste e não cuidaste dessa corrente que destrói as margens de tão comprimidas estarem? Sim, esse Riacho que afirmou que tu estavas de férias quando o País estava a arder e tu mais o Presi em reuniões, velórios e coisas mais? Vai de férias mas é, ó meu…Esse “Riachozinho” perante os elogios que o Finantial Times te tece ainda tem o desplante de dizer que eles não conhecem este País, esses burros iletrados e dados à mania…Vai é morenar esse cabelo, pá!

É que eu há dias vi-te na TVI e aquele baixinho, magrinho e de cabelo lambidinho, mais o apresentador e demais, que não são flores que cheirar possamos, quiseram mesmo rasteirar-te, pá! E a coisa até nem foi tão grave, apesar da questão vergonhosa dos “twitters”, que eu por exemplo não possuo e muito pouca gente usa pois aquilo é uma séca, porque tu sabes sempre sair por cima mas, não digo o Partido, mas as tuas lanças dianteiras deviam denunciar o que se passou e o que a seguir, muito provavelmente, se passará.

É que o que se passou com aquela tresloucada Professora, não só pelas alarvidades que disse mas principalmente pela passividade, condescendência e cumplicidade do apresentador, perante as contínuas faltas de respeito e interrupções da dita, dá que pensar e merece séria reflexão.

Mas também pelas escolhas da TVI onde, a par de uma tresloucada e ressabiada Professora, apareceu também uma sorridente mas capciosa Enfermeira e um Fiscalista que teve o desplante de afirmar que um trabalhador que recebe limpos 2.750 Euros custa a uma Empresa 7.000 Euros quando o que supletivamente onera a Empresa são os 23,75 para a Segurança Social!

Eu só me admirei de não terem convidado também a Cavaca e o Pardal! Juntando a estes o Ventinhas, mas pensando bem este não porque a “dignidade” dos Magistrados do Ministério Público foi entretanto reposta, mais o Presidente da Ordem dos Médicos…o quadro dos “cavaleiros do apocalipse” estaria completo!

Vou aguardar pacientemente as cenas dos próximos capítulos desses guardiões da Democracia que são as TV’s, nomeadamente as generalistas e deixando de lado os patéticos outdoors do PPD, que mais não fazem do que apregoar a herança que deixaram, vou-me debruçar, salvo seja, sobre este novel e futurista cartaz do CDS que já aqui referi: “PORTUGAL ponto TRABALHAR FAZ SENTIDO?”.

Eu não vou falar sequer em ousadia ou criatividade: eu falo em desfaçatez! Em ignomínia, em reaccionarice, em esperteza saloia e todos os adjectivos que Dicionário contenha. É que só isto nos faltava!

A tese pela Direita repetida à exaustão é que com este Governo se atingiu a maior carga fiscal de sempre ( a mesma que a deles!) e os Portugueses, coitados, estão a sofrer horrores e a serem de tal maneira espoliados, agredidos e massacrados que, em vez de irem em filhinha votar Costa, deviam era deixar de trabalhar! Não recebiam salário, e para quê o salário se depois, cheios de fome, terão um rico que os protege, mas o Estado também não arrecadava Impostos…

E estiveram eles tanto tempo a meditar, em sagrado retiro, um retiro regenerador do futuro do passado! “Trabalhar é Preciso”? Para quê se terão sempre, sem impostos é claro, trabalhadores a soldo, um soldo que até uma tigela de sopa poderá ser…?

E progredimos nós tanto! E progrediu a Ciência, as Novas Tecnologias e o Saber tanto e estes vermes ainda a reivindicarem velhos direitos. Direitos de classe, dirão…

Classe de “Filhos da “outra”, como bem escreveu Alberto Pimenta.

Standard